quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Fui mal educado (graças a deus)

Num passado pouco distante assisti a uma palestra sobre Diversidade e Educação, ministrada pelo professor Luis Gandin. O professor discorreu sobre a “obviologia”, ou seja, estudar aquilo que é (ou parece ser) óbvio. Nesse sentido, considerando meus 22 anos de escola, pensei o que é a Educação e pra quê serve. Para isso, usei um método antigo: a consulta ao dicionário.

Abaixo segue os significados. Em negrito marquei a opção que mais faz sentido (a meu ver) para a (atual) educação escolar: 

  1. Ato ou efeito de educar. 
  2. Aperfeiçoamento das faculdades físicas intelectuais e morais do ser humano; disciplinamento, instrução, ensino. 
  3. Processo pelo qual uma função se desenvolve e se aperfeiçoa pelo próprio exercício: Educação musical, profissional etc. 
  4. Formação consciente das novas gerações segundo os ideais de cultura de cada povo. 
  5. Civilidade. 
  6. Delicadeza. 
  7. Cortesia. 
  8. Arte de ensinar e adestrar os animais domésticos para os serviços que deles se exigem. 
  9. Arte de cultivar as plantas para se auferirem delas bons resultados.

Educação é um termo endeusado, considerado por muitos a solução para todos os problemas (NÃO CREIO).

Não vejo o modelo educacional como algo libertário. Pelo contrário, a educação parece ter um caráter individualista, que talvez garanta a própria redenção, assim como a vitória no sistema capitalista ou a salvação no âmbito religioso. Pouco se trabalha a idéia do coletivo a fim de se atingir uma realidade de pessoas socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres, como diria Rosa Luxemburgo.

Quando vejo os pobres estudando os livros da burguesia é como se eu voltasse uns 500 anos no tempo e me deparasse com os jesuítas catequizando os “índios”. Não é a toa que a cultura popular imortalizou o ditado “de boas intenções o inferno tá cheio”.

Salve salve Garotos Podres e sua música Escolas:

Nas escolas
Você aprende
Que seu destino já está traçado
Pois querem os transformar
Em Cordeirinhos domesticados
Prontos pra serem transformados
Em operários escravizados

Pessimista? Eu? Rá!
Pessimista uma pinóia.
Novos livros serão escritos.
A verdadeira história será contata.
7 de setembro será esquecido.
E uma independência verdadeira será proclamada.
Eu tenho fé.

Saudações libertárias,
Ary Neto

2 comentários:

  1. Mano! Pena que não tivemos tempo de sentar e cinversar sobre os diversos temas do mundo enquanto vc esteve por aki!

    Muito bom o texto, como sempre!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito dos artigos de ótima qualidade do seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver nosso Curso de Informática Online. Lucas

    ResponderExcluir