terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Pão e Green Label

Bendito sejam os pobres, disse Jesus. No entanto, também disse: - Nem só de pão vive o homem. Foi a pressão do mercado romano que o forçou nesta fala... era a deixa para a indústria da manteiga, do presunto defumado, do caviar, da Hugo Boss...
.
Hoje foi mais um dia de liberdade nesse mundo maravilhoso.
Não há como não ficar feliz com a nossa realidade, nossa estrutura e nossa lógica, onde:
A guerra geral tecnologia e lucro;
Os bancos tomam a casa de quem não paga a hipoteca;
Os hospitais particulares só salvam a vida de quem paga;
Empresas fazem seguro de vida para seus funcionários, onde elas mesmas são as beneficiárias... o funcionário sobe na escada e os diretores gritam: Ca-í, Ca-í, Ca-í;
Bons meninos morrem em assaltos, por causa de correntes de prata, motos populares, tênis e tudo mais.
.
Não adianta culparmos apenas quem puxa a gatilho. Está na hora de derrubarmos quem constrói as armas.

10 comentários:

  1. Ter força para parar de puxar o gatilho. Enquanto tiver quem puxe, vai ter quem constroi.

    ResponderExcluir
  2. Discordo Naiara. Poucas são as pessoas com distúrbios que geram a violência, a maioria dos casos está relacionado ao capital, seja no tráfico, no roubo e tudo mais... Temos na favela (uma estrutura habitacional gerada pela desigualdade social) uma ambiente propício a influenciar de forma negativa as pessoas. Claro, não todas, a maioria se conforma e pega o trem bem cedo pra ir trabalhar... mas o salário mensal de 500 conto é equivalente a um assalto na padaria... que dura 5 minutos.

    ResponderExcluir
  3. É difícil opinar a respeito.
    Mas o pouco que tenho para dizer, é que fico indiganda, temos tanta tecnologia, tantos recursos, tantas opções para seguir o bom caminho, e no entanto alguns escolhem outros. Acho que esse problema está muito longe de ter um fim.

    Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  4. Englobando o teu comentário e o do Naiara eu digo que concordo com os dois.

    Enquanto houver a pobreza, que causa o assalto na padaria, haverá quem puxe o gatilho, assim, haverá também quem constrói.

    É uma reação em cadeia.

    A culpa é igual para os dois, contudo, quem constrói as armas (má distribuição de renda e etc) tem mais poder para mudar isso.

    ResponderExcluir
  5. ISSO Láh
    .
    Este é o ponto! Não quero isentar quem executa o crime, mas demonstro certa compreensão frente às suas influências e suas opções de vida.
    .
    Na minha opinião, as pessoas que mais matam pessoas... nunca pegaram em armas.

    ResponderExcluir
  6. Essa é uma discussão grande.

    O mundo hoje, vive um sistema sufocante! Vivemos e morremos pelo dinheiro.
    Não há brechas, não há opções. Todos devem seguir o que nos foi imposto.

    Para se criar uma sociedade é necessário pessoas ricas e pobres. A desigualdade social corre em nossas veias! Querendo ou não.
    Afinal, se todos tivessemos as mesmas condições econômicas, o que seria dos governos? dos investidores? das multinacionais?
    Por isso ninguém faz nada para mudar, de fato.
    Os poderosos se acomodaram.
    Nós, meros mortais, somos vítimas do sistema.
    -
    Os grandes fazem as armas, e dão elas em nossas mãos. Assim, nós seremos sempre culpados de apertar o gatilho. Quando na verdade eles são os maiores culpados de tudo.

    ResponderExcluir
  7. existem 3 partes culpadas...1º a pessoa qua puxa o gatilho. se uma pessoa quer ser criminosa vai usar qualquer coisa como arma. se não tiver uma arma usa uma faca ou um pedaço de pau. 2º quem fabrica as armas. armas não deveriam existir pra finalidade nenhum. nem para policia, nem para exercito, muito menos para criminosos. construir armar é adimitor que o ser humano nasceu para a guerra. 3º a sociedade que fica parada e não faz nada para consertar as coisas.

    parabens pela postagem
    http://thenerdsarecool.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Olha....sei lá!!!

    Dizem que quebrar tudo não resolve o problema... que assim seja. Entretanto são poucas as pessoas indignadas nesse pais, aqui até agora são só 9.

    Não há indignação pela maioria das pessoas, 100 ou 200 pessoas fizeram um movimento contra o aumento da passagem de onibus, quer dizer indignação há, não há movimento. Garanto que se esse caso da passagem fosse exibido durante a novela Global muitas se tocariam!!

    Enquanto isso, outras 100 ou 200 pessoas aumentam seu próprio salário em 60% e brigam para não aumentar mais de 5 reais o salário do resto do país.

    Vamos quebrar os que fazem armas, leis, justiça nesse pais.

    INDIGNEM-SE!

    ResponderExcluir
  9. Valeu Mestre por instigar o raciocínio que leva a ação ordenada ! Esquematizado , planejado e bem - bolado será o movimento universal de conscientização social . Sem utopia , ação global é real com ajuda do meio virtual , que impulsiona a atitude real.

    ResponderExcluir