sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Minicontos

Aquele era o único momento que conseguia encostar em uma mulher. Era por ele que deus permitia existir o trem lotado. (Marcio Damasceno)

Miniconto, ou microconto, ou nanoconto, é uma espécie de conto muito pequeno, produção esta que tem sido associada ao minimalismo. Embora a teoria literária ainda não reconheça o miniconto como um gênero literário à parte, fica evidente que as características do que chamamos de miniconto são diferentes das de um "conto pequeno". No miniconto muito mais importante que mostrar é sugerir, deixando ao leitor a tarefa de "preencher" as elipses narrativas e entender a história por trás da história escrita.

O guatemalteco Augusto Monterroso é apontado como autor do mais famoso miniconto, escrito com apenas trinta e sete letras:


Quando acordou o dinossauro ainda estava lá.


Assim como o estadunidense Ernest Hemingway é autor de outro famoso miniconto. Com apenas vinte e seis letras, mas por trás das quais há toda uma história de tragédia familiar:


Vende-se: sapatos de bebê, sem uso.
Fonte

Confira abaixo outros 13 minicontos de Márcio Damasceno

Siga-o!
(http://twitter.com/MarcioYutaka)

Era puta, dormia com homens horríveis. Mas na faculdade resgatava sua honra dispensando os garotos que todas outras queriam


Pra ele o crachá preso ao pescoço tinha o brilho de medalha de ouro. Para o outro lhe parecia coleira e tinha o peso da derrota


Quando mendigava dinheiro nunca davam, mas comida e agasalho nunca negavam; passou então a vender roupas e enlatados


Ele ia de fretado e voltava de trem lotado. Filosofava na ida e na volta antropologia


Pregava contra a vida padrão e a rotina. Saia em busca de aventura, drogas e mulheres... TODOS OS DIAS


Só ia de carro, até se alí na esquina. Depois se via na esteira da academia. E assim perdia caloria, a mensalidade e a gasolina


Mais que sexo, ele queria um beijo.. Ela disse: "Se fosse esse o caso, não ti cobraria dinheiro”


Ele estava à frente do seu tempo! Por isso ninguém o compreendia e por isso todos o chamavam de retardado


Certo dia, caiu-lhe a ficha. E sentiu a valise pesada, os sapatos lhe apertaram e a gravata quase o matou sufocado


Ele se achava duro, ruim e mal; até se ver quase afogado em suas lágrimas diante do seu pitbull atropelado no asfalto


O homem cheirava muito mal e seu patrão após tentar todos desodorantes, tentou diminuir sua carga laboral. Era isso.


No inverno, ao acordar, não lavava todo o rosto; só molhava a ponta de dois dedos e limpava apenas a remela dos olhos


O suicídio no cristianismo lhe vale o inferno. morrer por alá lhe valem 99 virgens. a vida vale o que você acredita

5 comentários:

  1. Muito criativo esses mini contos!!! Gostei da iniciativa!!! Parabéns pelo blog. Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Adoro mini contos, eu escrevo demais!
    Adoro ler também, adoro interpretá-los.
    Muito bom!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  4. Super criativos e interessantes *--*

    ResponderExcluir